terça-feira, 16 de março de 2010

Adutora Veiga Brito ou Túnel do Lacerda



Pesquisa realizada por diversos meses de 2009 à 2010, desta maravilhosa obra que fica escondida da população e mesmo quando aparece, poucos sabem que está em funcionamento ou para que se presta, mas que é comprovadamente de vital importancia para o dia a dia de muitos cariocas.
(no slide show a direita, tem algumas reproduções do Google, por onde ele percorre.)
Essa Adutora, é em sua maior parte subterranea, ou encravada em montanhas sendo visivél somente em Senador Camará (Viegas), no Realengo (Barata) e no Catonho. (fotos de Luiz Fortes)



















História do Abastecimento do RJ
No início da década de 50, o contínuo crescimento das demandas de água da cidade do Rio de Janeiro, levou à captação das águas do rio Guandu, já acrescidas de águas dos rios Paraíba, Piraí, Ribeirão das Lajes, Poços e Santana.
Em 1951, iniciou-se um planejamento para suprir as necessidades de água até 1970 e o manancial escolhido foi o rio Guandu, com uma capacidade de 1,2 milhões de litros por dia. O projeto inicial acabou se estendendo e, ao invés de terminar no Reservatório do Engenho Novo, a adutora foi prolongada até a Zona Sul, no Reservatório dos Macacos, onde entrou em operação no ano de 1958. Nesta época, havia o ideal de abastecer 7,5 milhões de pessoas no ano de 2000 e, por este motivo, em 1966 foi inaugurada a segunda adutora do Guandu, a Adutora Veiga Britto, com a entrada em operação da Elevatória do Lameirão, considerada a maior estação subterrânea do mundo.
Em 1957, foi criada a superintendência de Urbanização e Saneamento (SURSAN) e, em 1961, ocorreu um caos no abastecimento da cidade a partir de uma ocorrência na Elevatória de Alto Recalque da Antiga Adutora do Guandu. Neste mesmo ano, o Departamento de Águas foi incorporado a SURSAN e a administração pública teve de recorrer a um empréstimo externo para realizar obras, através de um contrato de, aproximadamente, 90 milhões de dólares com o Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID. Várias obras de construção de reservatórios foram feitas com este recurso e criou-se a Companhia Estadual de Águas da Guanabara (CEDAG). O Governo do Estado concedeu a CEDAG, a partir de 1966, o direito de cobrar as contas de água. A CEDAG remodelou seus reservatórios, substituiu tubulações, montou seu cadastro próprio de consumidores, equipou-se com computadores da mais alta tecnologia para aquele momento e iniciou a implantação da telemetria em seu controle do sistema adutor. Até o ano de 1975, a CEDAE conseguiu superar seus problemas, ocupando o lugar da Empresa de Saneamento do Brasil mais avançada.


O Planejamento

Durante o mandato do prefeito Hildebrando de Góes, o engenheiro José Franco Henriques, Diretor do Departamento de Águas, sugeriu a construção de uma terceira adutora de grande diâmetro, com capacidade para 225 milhões de litros por dia, a Guandu-Leblon, utilizando as águas do rio Guandu, já previstas pelo engenheiro Henrique de Novaes. No início da década de 50, o contínuo crescimento das demandas de água da cidade do Rio de Janeiro, levou à captação das águas do rio Guandu, já acrescidas de águas dos rios Paraíba, Piraí, Ribeirão das Lajes, Poços e Santana.
Em 1951, iniciou-se um planejamento para suprir as necessidades de água até 1970 e o manancial escolhido foi o rio Guandu, com uma capacidade de 1,2 milhões de litros por dia. O projeto inicial acabou se estendendo e, ao invés de terminar no Reservatório do Engenho Novo, a adutora foi prolongada até a Zona Sul, no Reservatório dos Macacos, onde entrou em operação no ano de 1958. Nesta época, havia o ideal de abastecer 7,5 milhões de pessoas no ano de 2000 e, por este motivo, em 1966 foi inaugurada a segunda adutora do Guandu, a Adutora Veiga Britto, com a entrada em operação da Elevatória do Lameirão, considerada a maior estação subterrânea do mundo.
Sistema Guandu
Esse sistema utiliza uma captação direta das águas do rio Guandu, no município de Nova Iguaçu situada a aproximadamente 50 Km a oeste da cidade do Rio. Iniciada nos anos 50, a realização das obras se estabeleceu ao longo dos anos subseqüentes com, inicialmente, a implantação de uma estação de tratamento e a construção da adutora “Henrique de Novaes” (1.750mm de diâmetro), seguindo-se pelo “Túnel-canal do Guandu” (concluído em 1966) a fim de alimentar a parte sul da cidade em grande desenvolvimento. Esse túnel, atualmente chamado de adutora Veiga Brito, aduz água até o bairro do Jardim Botânico, onde termina no reservatório dos Macacos e, ao longo de seu trajeto, interliga-se aos outros dois sistemas através de sub-adutoras.

Sub-sistema Lameirão - o restante da água (50%) é aduzido para a elevatória do Lameirão através de um túnel subterrâneo com 11 Km de extensão.
Na elevatória do Lameirão, com 7 grupos motos-bombas com potências de 4.500Hp e 9.000Hp a água é bombeada 110m de altura para alcançar um outro nível com 34Km de extensão.
Ao longo do trajeto deste nível, várias adutoras estão conectadas para fazer a distribuição para os diversos bairros do Rio de Janeiro.
A Estação de Tratamento dispõe também de um laboratório de controle de qualidade que realiza análises físico-químicas e bacteriológicas periodi¬camente controlando cada fase do processo e garantindo assim os padrões de potabilidade exi¬gidos pelas Organizações de Saúde.

Encontrei estas informações neste endereço, mas atualmente ele está inativo
fonte : http://aguasdeprata.com.br/aguasdeprata/?page_id=14



O Ex- Governador Carlos Lacerda Visitando as obras dentro do Túnel.



-Reprodução do Site da Cedae. *observem a espessura do concreto.



obs: Os Ex funcionários contam que entrava um caminhão FNM dentro deles.

Fonte http://www.cedae.com.br/ (clicar em "mapa do site" - Sistema Lameirão)



Por onde ele passa deixa historias – Jacarepaguá :

Em 1954, nas ruas Luís Beltrão, Baronesa, Marangá e Capitão Menezes, realizaram-se escavações para colocações de enormes manilhas, com diâmetro de 1 metro e 75 centímetros, que foi parte da obra da Adutora Henrique Novaes, cujos percurso total é do Rio Guandu até a represa dos Macacos, onde abastece de água toda a Zona Sul. A adutora, na sua passagem, também fornece água para outras localidades, inclusive à região da Praça Seca, através do reservatório do Morro da Reunião, no Tanque. Quando a escavação da gigantesca vala chegou na esquina da Rua Cândido Benício, o trânsito foi desviado. Mas os usuários dos bondes tinha que fazer baldeação. Os bondes vinham de Cascadura até em frente ao antigo Chopão. Ali os passageiros saltavam e pegavam outro bonde estacionado no meio da praça, a fim de continuarem a viagem à Freguesia ou Taquara. Houve muitos acidentes durante a construção da adutora na Praça Seca. O mais grave foi a morte de um operário, que trabalhava no fundo do valão na Rua Baronesa, em frente ao terreno do General Lauro Dias Barreto, quando houve um desmoronamento de terra em cima dele. A propriedade do General Barreto era onde existe os imóveis da Rua Baronesa números 716, 729, 730 (a vila) e 750 (a Academia Corpus). O terreno era bem grande, com um casarão no centro. Tinha duas frentes: na Rua Baronesa e na Rua Barão.
Há outra adutora do Guandu na região, que percorre totalmente a Rua Albano. Foi realizada no Governo de Carlos Lacerda e inaugurada em 1965 pelo então presidente do Departamento de Águas e Esgotos (atual CEDAE) Veiga Brito. Ao contrário da que passa pela Rua Baronesa, a adutora da Rua Albano foi escavada em túnel, cujas dimensões médias são de quatro metros de largura por três de altura. Ela também abastece a Zona Sul e tem diversas interligações no trajeto. Uma delas é na Rua Urucuia, com saída para a Henrique Novaes (Rua Baronesa), para o Juramento e para a Barra da Tijuca. No final da Rua Albano, desvia em direção à Rua Barão, onde atravessa o Morro Inácio Dias. No local, a partir de 1963, surgiram os primeiros barracos da atual Favela São José, levantados pelos operários durante a construção do túnel.


Ex-funcionários do Consórcio Construtor Guandu, relembram o dia a dia no canteiro de obras com saudades, emoção e muito orgulho..


Depoimento de Antonio Medeiros do Prado Natural de Minas Gerais.
-Que trabalhou na construção da Adutora do Guandu na parte de Senador Camará (Viegas) e no Realengo.


Cheguei ao Rio vindo de Minas Gerais no ano de 1965, tinha 22 anos e pouco, e comecei a trabalhar na obra desta adutora, no dia 16 de Janeiro do mesmo ano, e trabalhei quase um ano e estava ainda na perfuração, eu fui trabalhar na cabeceira me mandaram logo para a furação. (ajudante de perfuração). Era uma zoada (barulho) tão grande que eu pensava de não aguentar mas eu precisava trabalhar e fui trabalhar de ajudante direto na perfuração, dai eu fui ficando mais antigo e pedi para ser transferido pra turma da concretagem e era menos barulho e ai eu trabalhei até o fim de novembro de 1965, ficando quase 11 meses e no dia que eu sai foram mais de 50 despedidos e eram sempre assim de 50 em 50. Já tinham perfurado tudo, já estava livre e não tinha mais calor, já estava bom de trabalhar com tudo concretado , só foi ficando a turma da limpeza e não tinha mais perigo. Mas no inicio foi muito perigoso e eu não morri foi de sorte. Tinha um boledo do escoramento de madeira ai aquele escoramento quebrava, e descia era pedra, um dia eu quase que morri com uma pedra muito grande que caiu quase em cima de mim, começou a pingar eu sai correndo e caiu. Eu trabalhava uma semana de dia e outra a noite. Tinha turno direto era dia e noite , e tinha um placa bem grande que dizia " A Janela não pode Parar", saia uma turma entrava outra, mais ou menos 1.500 homens se revezando só nesta janela, e isso aqui (apontando para o terreno no Realengo) era só alojamento para tudo que era canto, era muita gente mesmo. A turma do dia trabalhava de 7 às 7, e as janelas como eram chamadas as bocas do túnel (adutora) 90 no Viegas, 110 no Realengo, que foi onde eu trabalhei a maior parte do tempo, eu comecei na 90, e fui transferido para a 110, trabalhei na "montante" e na "juzante", eu não sei explicar por que tinha este nome?, mas era como eles a chamavam e nos direcionavam para trabalhar, vai para a montante da 110, ou para a juzante da 110 que eram os lados definidos. Mas da maneira que ia furando a rocha, ia passando a turma para a outra direção quem estava na montante ia para a jusante, até ir encontrando a outra janela 110, 120, 130, 140. isso vai muito longe, além do Catonho. Nós nos apresentávamos no escritório central na rua da Maravilha em Bangu e dali distribuía para as janelas, lembro que tinha os caminhões que levavam os trabalhadores, da seguinte forma, janela 90, caminhão tal, janela 120, caminhão tal e assim por diante, eu acho que a ultima era 240, que fica pra lá depois de Jacarepaguá.Tinha colegas meus que trabalhavam pesado lá. Ali na rua Maravilha era onde que ficavam os caminhões que iam distribuindo os operários. Sr. Antonio exibe orgulhoso sua carteira e trabalho.


Esse Túnel vem do Guandu e passa no Lameirão (Santíssimo), e vai atravessando essas montanhas.

A firma chamava-se: "Consorcio Construtor Guandu”, e parece que a outra firma era Serv. Engenharia, e minha carteira é assinada pelo consorcio, e eu ganhava CR$ 175,00 por hora e o salário era CR$ 42.000,00, tenho a carteira guardada, que serviu para me aposentar ainda para comprovar. Tinha muito risco de vida, dava muito acidente, morria muita gente, pedra caia, boledo (espécie de massa com barro e pedras sem muita resistência) caia e matava, bonde matava , era explosão né, e ali em Realengo mesmo teve uma explosão, antes de eu entrar, eu comecei la no dia 16 de Janeiro eu comecei aqui e logo fui pra lá, e as pessoas falavam dessa explosão. E ficava gente cega, com perna quebrada, tinha um bonde que levava a gente para dentro do túnel, este bonde ajudava a trazer a sujeira e fazia toda a limpeza. Aquelas borbonetas era a linha de trem dentro do túnel, pois conforme ia furando íamos colocando os dormentes e os trilhos era o chamado trenzinho, e lá dentro tinha as escavadeiras para poder encher o trenzinho e as vezes ele desencarrilhava, as vezes o chefe queria que você entrasse no bonde eu não entrava na hora do almoço por que aconteceu o bonde se perdeu uma vez, eu não entrava e eu não andava naquele bonde era longe pra burro, pois ele trazia gente com perna quebrada todo machucada era longe e eu preferia andar um quilometro para chegar na cabeceira mais rápido, pois eram vários quilômetros andando, e tem uma coisa quando faltava luz ficava escuro mais escuro e não se enxergava nada. Colocavam as dinamites e a fiação para acionar eletricamente os explosivos, e o fio ia lá fora na boca do túnel, a gente saia de dentro do túnel e ligavam a chave que detonava as dinamites. E tinha uma ventoinha (tipo de exaustor) para puxar a poeira e tinha um cano que levava o ar comprimido que era para tocar as bombas, tocar os martelos de ar comprimido, tipo britadeiras. E subia uma fumaceira uma poeirada, que deixava as lâmpadas toda embaçada era difícil trabalhar naquele troço, mas como pagavam muito bem era muito bom, nem se compara com esse salário de hoje. Acabava de comer e voltava direto, já comia bem perto na boca do túnel e voltava um turno de 7 as 7, e eu não dormia no alojamento preferia voltar pra casa, o caminhão levava a gente para a rua maravilha que deixava em casa novamente. Eu morava na época em Campo Grande eu não dormia no alojamento pois havia muito roubo, e muita sujeira pois trabalhava só homem, O caminhão levava a gente pra Campo Grande, encerrava o expediente tomávamos banho rapidinho e em mia hora já estávamos voltando pra casa. Desde que sai de lá....nunca mais voltei lá, estou tendo a oportunidade de voltara aqui hoje. mais de 40 anos.

Esse túnel é muito longo deve ter pra mais de 50 quilômetros, eu tinha um colega chamado Seu Agenor que trabalhou na janela 140. Tinha turma especifica para cada posição, ele é circular e tinha a turma da abobada, a a turma das paredes e a turma do piso, conforme ia fazendo o piso ia tirando o trilho e já podia entra os caminhões.

Olha só a cota d água (altura onde era previsto passar água) onde era marcado para passar a água, ali era 1,80 m de altura, então como tinha coisa ainda pra cima, era mais de 2,50m mais ou menos.

Foi feito um trançado de vergalhão redondo, tudo ferragens muito forte foi um troço muito bem reforçado, é um serviço muito bem feito, depois da concretagem veio com a pintura ai foi a época que eu sai, já tava na pintura fresquinho bom de trabalhar lá dentro, aquele vento indo de um lado para outro e eu tive que sair, o contador chama fulano, fulano, fulano uns 50, rua da maravilha (o escritório em Bangu). Ai ia recebendo o dinheiro, e disseram pra gente que a firma tava falindo, e naquele tempo eu não entendia nada e disseram que não teríamos direito a indenização pois não existia fundo de garantia nesta época e falaram que a firma tava falindo eles só pagaram o salário do mês, as ferias e 13° e eu não recebi mais nada a não ser isso.

Os Operários

A maioria vinha tudo de fora do Norte, Nordeste, Minas Gerais capixaba, muito capixaba mineiro, lá bem do interior e daqui do Rio ninguém queria não. No dia que eu entrei, nós entramos uma turma grande quando eles entraram com a pá voltavam e diziam eu "vou embora agora", entrava outro e dizia a mesma coisa " vou me embora agora" . Lá na rua Maravilha, tinha uma fila enorme, pra poder se inscrever e outra enorme para indenizar. Qual essa fila? Essa é para fichar, e essa outra? Essa é para receber os direitos, todo dia que você fosse era um filão enorme. No dia que eu me inscrevi eu entrei na fila uma oito ou nove da manha, quando eu fui ser fichado era de tardezinha. Mas já ia trabalhar com a carteira assinada na mão, "amanhã aqui tal hora, para pegar o caminhão e ir para a janela que vai trabalhar", ou seja, você vai pra janela, tal. Era assim que funcionava e só dava gente de fora, o pessoal daqui mesmo não queria, queria só pra trabalhar no escritório, sala de maquinas não queria o brabo, não ia pra guerra não, lá não era mole não. Eu vou te contar eu só fiquei por que eu vim pra e qui não tinha dinheiro pra mim voltar, o meu dinheiro não dava pra voltar pra Minas. Mas eu vim pra trabalhar nem pensava que ia ter um serviço mole e eu era do interior já acostumado com serviço pesado né. Mas valeu a pena, graças a Deus eu não morri, pois morreu muita gente nosso serviço era muito perigoso entrava 100, 200 e ficava somente uns 20 ou 30 que tinha coragem de encarar o trabalho. Quando chegamos lá pela primeira era uma barulheira danada, o barulho de bomba d´agua puxando , bomba a ar que faz uma zoada enorme e agente tinha que conversar por sinais , que hora são? apontava-se para o pulso, tá na hora do rango, fazendo sinal com os dedos para dentro da boca, pois não dava para ouvir nada, fulano ta morrendo, o que tava acontecendo, se tava caindo qualquer coisa, tinha que ir lá e balançar o cara, falar nem adiantava, o barulho não dava pra ouvir, nunca batíamos papo durante o trabalho, só na hora da comida podíamos conversar tínhamos que usar só sinais. O almoço era 11 horas, e acabava de almoçar o encarregado tava logo em cima.

E era serviço pesado pesado pra caramba e perigoso, mas eu me sentia um herói. diante de tanta gente que eu vi se acidentar do meu lado, nesta época eu tava já na parte do concreto. Tínhamos de encher aquela padiola, areia de ponta de pedra na betoneira para fazer concreto. Então um bonde vinha e quando o bonde vinha e invés do cara passar pro espaço maior ele correu pro lado errado, ai o bonde espremeu ele contra a parede e morreu ali mesmo, o coração dele chegou até a sair...ficou com a boca aberta, acabou com o cara! Eu tava trabalhando na turma da noite, a família só ficou sabendo porque nós éramos colega de trabalho, e eu sempre fui comunicativo e perguntava onde é que você mora?, " Ah eu moro lá em Senador Camará" . lá naquela rua fulano de tal...eu era colega dele, colega assim de trabalho, sabia até o nome dele e tal, e nas horas vagas batia papo, e quando ele morreu...rapaz eu fiquei tão espantado, que saber uma coisa eu vou é me embora, vou ficar aqui não. Ai o cara falou assim: " Alguém conhece ele?". O Encarregado e eu falei mais ou menos devo conhecer a família dele. Ai eu vim de madrugada, sai de madrugada cedinho pra Camara, entrei na rua , não sei se é rua Tamburiu ai era bem cedinho e vi um colega dele vindo, ai eu falei o João morreu lá no tunel, ai o sujeito foi avisar o pessoal dele lá. Eu nem fui no enterro, pois fiquei tão traumatizado, fiquei dois dias sem trabalhar, ai os colegas disseram que nada Antonio, "isso acontece sempre ai, tem acidente sempre", realmente quebrar perna machucar eu vi muito acontecia sempre mas morrer mesmo eu só vi um. Eu sei que ná época do fogo (explosão) lá no Realengo, quando eles estavam perfurando morreram 17 de uma levada só. Isso eu ouvi falar pois foi antes de eu ser contratado ai eu perguntei :"Voce não ta com medo não?" não isso faz três meses já. "Acontece sempre?" Não aconteceu por descuido e tal! Ai você passava pelos escoramentos de eucalipto, chegava tá envergado assim, a terra cedendo, pedrinhas e água pingando do teto, e a gente perguntando : E isso ai não cai não? " As Vezes acontece" ,parecia uma mina de carvão dessas que a gente via no cinema. Depois fomos fazendo a Mas depois que ia fazendo a cambota de ferro e fazendo o concreto, foi diminuindo o perigo, tava já escorado, mas antes o escoramento provisório de madeira aquilo é que era perigoso, ia apodrecendo. Lembro do Engenheiro que eu trabalhei com ele Doutor Mario, na época eu tinha 23 ele devia ter os seus uns 35 anos, e trabalhei com um chefe chamado Murilo, muito bacana também, tinha hora que dava sono lá dentro né um lugar escuro ninguém falava com ninguém, e a jornada de 7 as 7 era puxada e cansativa, e agente catava um cantinho e tirava um cochilo, ai ele vinha acordava e dizia "vai trabalhar, não fica ai não" , não brigava não, era bem consciente e bacana, ele sabia que era horrível, tinha que ter coragem pra encarar aquilo, eu encarei como muitos encararam. Até porque trabalhar do lado de fora era sopa, quem trabalhava lá fora era profissional e ganhava muito bem, eu não era profissional na época eu entrei como ajudante. E o barulho era tanto, parecia que ia estourar os miolos, que eu pedi pra vim mais pra trás pra ficar mais longe da perfuração.
Os caminhões entravam e o que botava as pedras era umas escavadeiras e depois a turma da limpeza completava, com as pedras pequenas e terras, e era uma poeirada danada uma fumaceira. Tinha às vezes um cheiro de gás que sai da terra, e as pessoas iam direto pro hospital intoxicadas. Foi feito um túnel mais largo para que fosse possível trabalhar melhor e eu acho que com o tempo, a terra deve ter completado este espaço, com escombros naturais. e a armação era bem grossa, ficou uma parede bastante reforçada, uma obra de qualidade, tanto que até hoje ela resiste bem ai, e era um concreto especial, levava sika e era levado lá pra dentro a base de ar comprimido, uma maquina injetora levava o concreto pra dentro e ia socando tudo, e nós íamos pra outro trecho e quando eu tava saindo, vi chegando a turma da pintura aplicando uma tinta protetora de cor preta. Eu tenho muito orgulho de ter participado desta obra, cheguei novo e encarei o desafio, uma vez fiquei muito doente nós trabalhávamos sem camisa pois dava brotoeja por causa do calor, e eu todo suado cheguei na boca do túnel
vi um clarão e levei uma rajada de vento nos peito que eu perdi a voz na hora. Fui pro caminhão já muito mal, roquinho peguei o caminhão e chegando no meu barraco, lembrei do que minha mãe me falava que cravo era muito bom pra isso, e eu passei numa vendinha chovendo todo molhava
e comprei alguns e soquei e fiz um chá e já no outro dia amanheci falando mas fiquei de molho em casa, dois dias sem trabalhar, ai quando eu voltei o encarregado perguntou se eu tinha ido ao medico, eu disse que não, mas ele disse que era bom ir, então fui até a SAMU que era um posto de saúde em Realengo.
Quando a janelas 90 e a 110 se encontraram fizeram um grande churrasco e teve até o presença do Governador Carlos Lacerda, fez até um discurso e toda vez que uma se encontrava com a outra, tinha um churrasco.
E era muita fartura muito churrasco, matavam bois e mais bois, eram pedaços enormes de três quilos mais ou menos, ai comiamos a parte que tava bem assada e guardávamos a parte interna que não tava muito boa embrulhávamos e levávamos para casa o pedaço e dava pruns três dias e distribuíam muito chope, mas muito chope mesmo .
E eu afirmo que tinha a janela 100, que ficava em Bangu e o meu primo Oswaldo trabalhava nela, a 90 (Viegas), encontrava com a 100 (Bangu) que encontrava com 110 (Realengo), 120 Catonho , 130 Boiúna, 140 Cafúnda e assim por diante.

Eu tinha um colega chamado Genival irmão do Zé Alves que trabalhou no escritório da rua Maraviha, acho que ele esta morando lá pros lados de Campo Grande. Ele poderia dar boas informações.
=================================================== Depoimento de Felix Daniel Zampieiri
natural do Espirito Santo

Funcionário do Consórcio Construtor Guandu, eu trabalhei mais especificamente só dentro das salas de maquinas eu era responsável por um gerador de luz elétrica, dois compressores GM, e um Atilas Coop, minha função era operar as maquinas que fabricava aquele o ar comprimido que ia pelo tubo. minha profissão era compressorista, como consta na minha carteira. data de admissão 21/01/1964, CR$ 87,50 por hora 18 /12 1965 ficando 1 ano e 11 meses na firma, e a função do ar era para na hora da detonação dentro do das bocas da cabeceira (túnel) jogar o ar e tinha do lado de fora dois exaustores que puxavam o ar e toda a poeirada, na montante e na juzante as duas funcionavam juntas, uma detonava primeiro e jogavam para ela, e mais tarde a outra ai um encarregdo vinha e avisava, para virar para a outra boca, e este ar comprimido servia também para os marteletes, furar as pedras, para se colocar as dinamites e também se colocar escoramentos de pedra madeira, era
escorado com uns parafusos, e as vezes caiam pedras nos funcionários. Para retirarem dos entulhos eles faziam um trilho deste de trem, tinha uma locomotivazinha que puxava umas caçambas, que o operador puxava e uns caminhões eram carregados com estes entulhos. Eu servia no quartel aqui em Deodoro, e um fiz o curso de cabo fiquei lá um tempo seis meses depois eu dei baixa e um conterrâneo que já trabalhava aqui falou comigo e eu disse que queira entrar nela, ele me disse vai lá que eles tava dando vaga.





Eu tinha desejo de ser mecânico e fiquei como compressorista, eu qeria ter entrado como contador, pois trabalhava no almoxarifado, mas não deu pra mim. E era engraçado, funcionava tudo a diesel, ai vinha um carro pipa e despejava num tanque enorme o óleo diesel, que azia a geração dos motores e o serviço era noturno e diurno, e tinha dois a noite e dois pela manha, e eu morava aqui perto. Tinha gente de tudo que é lado do Brasil. As explosões eram detonadas eletricamente, e acionava aqui fora e era muito forte o barulho. Acontecia de algumas dinamites que não explodiam e vinha o desentupidor de minas, era perigoso.
Eu tinha uns vinte anos e depois falaram de levar a gente pra Amazônia, levaram nada, eu fiquei até acabar isso, e a minha indenização deram faltando, pois a firma foi dada como que tinha ido a falência, e ainda fui ferrado. Mas mesmo assim eu tenho orgulho de ter contribuído com esta grande obra, foi um marco do Governo Carlos Lacerda disseram que ele visitou mas deve ter sido de dia eu nunca vi ele não. Eu trabalhei só na janela 90 na montante e juzante, foi ali que eu vi dinheiro, eu mandava dinheiro pro meu pai na roça no Espírito Santo eu guardei um dinheiro bom, eu sei que na indenização nos fomos lá pro ministério do trabalho e teve uma conversação, o doutor lá com a gente e disse se vocês não sabem fiquem sabendo que havendo termino de obra, concordata ou falência a empresa só paga 70%, mas vocês podem botar na justiça também, ai conforme meu amigo Fernando que morava ai, era chefe do Encanador, o dinheiro é mais prudente o dele foi CR$ 802,00 e o meu CR$ 345,00, ele foi o primeiro eu fui o segundo ele assinou eu tava atrás e assinei também, teve um o paraibinha, que não quis assinar e ia botar na justiça. Sei que no dia do Acidente lá no Realengo, não teve trabalho aqui, só ouvimos falar que muita gente morreu. Aqui na janela 90 não teve acidente grave.
Uma coisa que todos gostavam, era que nunca faltava ou atrasava o pagamento. Tinha umas vendinhas que o pessoal podia almoçar, ou lanchar alguma coisa. Eu almoçava de marmita, morava aqui perto me estabeleci ali na casa de um nordestino que tinha uma família grande, e pagava um garoto, que levava ela quentinha lá em cima na hora certa pra mim.

===================================================

Depoimento de Valtinho Smith
Natural de Cachoeira de Santa Leopoldina - Espírito Santo



Comecei a trabalhar na construção da adutora com 23 anos, na função de operador de locomotiva e segunda função operador de carregadeira, as locomotivas eram uma Toyota modificada para locomotiva, tinham mais ou menos dois metros e puxavam uns vagões de quatro metros que buscavam só pedras, e eram quatro vagões de uma vez que entravam de ré e saiam de frente. Ai eu trazia pra fora do túnel outros funcionários soltavam os vagões e despejavam num barranco que tinha mais ou menos seis metros de altura, às vezes quando as pedras eram muito grandes eles amarravam umas correntes na linha para que os vagões não caíssem no barranco. A locomotiva era liberada e eu depois eu ia para outro canto e pegava o desvio (os técnicos abriam a linha) e outros funcionários engatavam outros vagões vazios. Lembro que eu não tinha lugar certo pra trabalhar, trabalhei nas janelas do Pau da Fome, depois fui pro Catonho, nesta eu trabalhei mais um tempo, mas se precisava de um operador aqui no Viegas ou no Realengo, e nós íamos e tínhamos de voltar pra lá novamente, pois só tinha dois funcionários era um por turno, quando fazia uma explosão encaminhavam a gente, independente do horário de trabalho eles chamavam a gente em casa, pois era um serviço especializado, pegava as dezoito da noite as seis da manhã uma semana e na outra semana invertia, eu trabalhei lá três anos (eu e meu irmão já falecido), até acabar ai o encarregado chamado Felipe, chegou pra mim e disse eu vou te dispensar, pois quando acabar você vai perder o aviso prévio, ele foi legal comigo.

Uma lembrança triste foi quando ocorreu um acidente e um funcionário acabou morrendo, eu tava emprestado na Janela do Realengo e como de costume o trem ia entrando no túnel sempre de ré, e não sei o que houve pois tava de costas e era muito escuro e os vagões tiravam minha visão, não sei como ocorreu um operário morreu esmagado fui levado pra delegacia para prestar esclarecimentos, e depois fui liberado era na 24ª DP. em Bangu. (não existia delegacia em Realengo). Ficou provado que eu não tive intenção e que ele não respeitou o sinal de liberar o trilho, mas mesmo assim são coisas que marcam, fiquei muito tempo não dormindo direito, acordando no meio da noite. Mas eu e Deus sabemos que não tive culpa. Tinha muitos acidentes transportei nos vagões muita gente machucada.
Obs: sobre este acidente -Em conversas nos intervalos os operários ouviram que este funcionário estava dormindo e acordou com o trem vindo e pulou pro lado errado.

Eu vim pro Rio de Janeiro, já de olho neste serviço, pois um parente encarregado de outra firma tinha vindo e disse que seria um bom serviço e bom salário. E os cariocas não queriam serviço pesado, logo pediam para sair, e alguns ficavam fumando maconha por lá. Nós viemos oito pessoas de ônibus, lá de Minas.

Lembro de ter trabalhado em varias janelas, 90, 100, 110 e no Boiúna, na Estrada Pau da Fome, Cafundá (Jacarepaguá), tinha uma pedreira abandonada, e lembro que certa vez na época da ditadura, o exercito entrou no meio da noite dentro da mata, e cercou uma casa de dois andares ele levou muita gente presa, a gente não sabia o que estava acontecendo mas diziam que era tudo comunista...
Eu tinha uma casa bonitinha toda montadinha lá no Catonho, e fui expulso dela e
perdi até os moveis e tudo, tive muito problema na justiça, isso me marcou muito. E Na obra eu não morri por sorte, deu um molejo (a terra tremeu) e os eucaliptos (madeiras), que sustentavam o teto, tudo caiu por cima da carregadeira que eu estava trabalhando, e era muita terra, muita mesmo, ai eu corri pra debaixo da maquina, e o engenheiro que estava por perto, me ajudou a sair..tinha que ter muita coragem para trabalhar ali.

Consta na carteira que o Sr. Valtinho Smith foi contratado como servente no dia 19 de abril de 1963, com uma remuneração inicial de CR$ 87,50 por hora e teve sua saída registrada no dia 13 de setembro de 1965.





Outros Personagens que vivenciaram o dia a dia da sua
construção.


Sr. Augusto (aposentado), que cuidava dos carros da construtora e dos engenheiros, nos disse que toda hora tinha de lavar os carros, pois a poeira era muito grande, e os Engenheiros todos "bacanas", queriam sempre ver os carros limpinhos, mas conta que também lavou muita caminhonete suja de sangue, devidos aos inúmeros acidentes um dos piores foi na Janela do Realengo, onde 16 operários perderam sua vida.

Sr. Geraldo (aposentado) - Foi motorista do Consórcio Construtor Guandu, que dirigia primeiramente caminhões e depois foi designado a transportar os Engenheiros, entre os canteiros de obras chamadas de "janelas" e seus lares. Ele nos conta que diversas vezes entrava de ré com caminhões tipo FNM, dentro do tunél apra retirar entulhos, pedras etc...! Isso nos dar a dimensão da boca do tunél. E que quase todos moravam na Zona Sul, e eram muitissimos simpaticos, e não comentavam nada sobre a construção ou algo parecido, eram muito reservados neste aspecto. Uma coisa eu afirmo, tenho muito orgulho de ter feito parte disso tudo e foi emocionante poder visitar isso depois de tantos anos.

Sr. Manoel Laurindo de Oliveira (atualmente é sapateiro no Jardim Novo) - Ele nos conta que seu tio é quem trabalhou na obra, e que na época ainda bem jovem, surgiu uma oportunidade de trabalhar numa cantina na janela do Realengo, onde eram vendido cafezinhos, lanches variados, cigarros, etc., e teve contato com diversos operários e ouvia suas historias diariamente. E ouvi muita coisa mesmo pois todo dia tinha alguém contando algo diferente. Era muito comum alguns operarios trabalharem pouco tempo, por não aguentarem o ritimo de trabalho, viu muitos sairem cegos de uma vista ou mesmo das duas, pois diversas dinamites davam problemas e explodiam depois. Além de alguns desmoranamentos que soterraram diversos homens.

Esta Adutora chega ao seu ponto final na Zona Sul.

Represa dos Macacos - perto da Vista Chinesa e da Mesa do Imperador: Onde termina a adutora...a montante da Represa dos Macacaos (ponto 7), desce pela sua margem direita até encontrar direção geográfica Norte-Sul que passa pela face oriental da Pedra do Camaleão (ponto 8), desce pela mesma para o Sul, cruza a Estrada Dona Castorina. (ver mapa)

link da reportagem do Jornal: http://oglobo.globo.com/rio/bairros/posts/2010/03/22/obra-prima-da-engenharia-276699.asp

Nota do pesquisador: Temos de reconhecer e parabenizar os políticos corajosos, os engenheiros e técnicos da época, que planejaram e executaram esta maravilha que esta prevista para funcionar até o ano 2000. E principalmente não podemos esquecer dos mais que corajosos trabalhadores que mesmo sem muitas técnicas e equipamentos arcaicos (de ponta para a época), deram seu suor e infelizmente alguns, suas vidas para a realização desta monumental obra.
Em nossas pesquisas encontramos alguns deles que deram depoimentos emocionantes como verão a seguir. Mesmo não sendo todos de Realengo, eles trabalharam aqui e também foi aqui que comecei a pesquisar depois que encontrei um Realenguense que me disse ter trabalhado e depois uma coisa foi puxando a outra, pois desde criança sempre me fascinou olhar aquela ponte perto da Cachoeira do Barata (Realengo) e imaginar o que era, de onde vinha, pra onde ia, como construíram, agora consegui as respostas, e divido com todos que se interessarem.
Muito obrigado aos senhores, e senhoras que me receberam muito bem, tiveram paciência de contar e recontar, me indicaram outros amigos que também fizeram parte do quadro de trabalhadores. Esta pesquisa ainda não esta completa, irei gradativamente acrescentar outros detalhes assim que for descobrindo. Aos que souberem mais detalhes entrem em contato.


ass: Luiz Fortes

6 comentários:

  1. parabéns pela reportagem, nessa reportagem descobri um parentesco com o meu sobre nome (zampieri), quero entrar em contato, por favor gostaria de saber o endereço ou telefone, eu me chamo sandra zampieri, aguado uma resposta.

    ResponderExcluir
  2. Sou professora de Artes Visuais do Mun.RJ gostei muito da reportagem de Anna Maria Santiago e estou trabalhando com meus alunos o tema. Podemos usar as fotos da reportagem em nossos trabalhos?
    Parabéns pela bela matéria. Nossa escola fica em Bangu, temos muitos que moram no Viegas e conheciam a ponte mais não sabiam da sua importância.
    Zuleide Alves

    ResponderExcluir
  3. Parabéns Luiz Fortes!

    Belíssima matéria que retrata fatos ocorridos em Realengo, e a importância deste aqueduto. É historia pura.
    Agora estou sabendo como escavaram as montanhas, e a extensão do aqueduto.

    Abraço,

    Carlos Lima

    ResponderExcluir
  4. Olá Luiz,
    Estou fazendo um blog do bairro que irei morar, pois comprei uma casa lá, e quero conhecer bem a historia do local.

    Um abraço.

    Carlos Lima

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Salve Carlos, já montou o blog?? mostre para gente como ficou..abraços!!

      Excluir
  5. Caríssima, Zuleide Se for para uso educativo, pode usar as fotos sim!

    ResponderExcluir

Agradecemos por sua participaão, publicaremos seu comentário em breve.